domingo, 1 de abril de 2007

Mika Waltari/O egípcio


Minha opinião

O primeiro livro que li deste autor foi “O aventureiro”, até então não havia me passado pela cabeça a existência de um escritor Finlandês, e acho que acontece o mesmo com muita gente, mas existe, e é um excelente autor. Um autor que possui a fantástica capacidade de contar história através da ficção, é verdade, aprende-se muito sobre a história de antigas civilizações e transformações através destes livros. Como no caso deste em questão, através de Sinuhe – o personagem principal – somos levados numa viajem ao passado até o Egito antigo, não sei você, mas eu sou fascinado com histórias de Faraós e pirâmides, e é exatamente isso que você encontrara neste livro, um relato de como eram os costumes, a religião, as guerras, a economia, a política e tudo o mais que se relaciona com a sociedade egípcia, mesclado com muita aventura e emoção. Vamos!!! Viaje você também neste livro...

Sobre o autor

Escritor finlandês, Mika Waltari, mais conhecido por seus romances históricos, especialmente Egyptian (originalmente SINUHE, O egípcio). Os trabalhos de Waltari foram traduzidos em mais de 30 línguas. É considerado um dos principais escritores Finlandeses do século XX. O tema recorrente no trabalho de Waltari são os valores humanistas em um mundo do materialista. Após a segunda guerra mundial Waltari faz usa seus romances em grande escala como forma de expressar sua opinião sobre o pessimismo e do mundo do cristão. Mika Waltari nasceu em Helsinque filho de Toimi Armas Waltari, um pastor e um luterano e Olga Maria Johansson. Waltari perdeu seu pai em 1914 aos cinco anos de idade. Foi criado com a ajuda de dois tios, o doutor em Teologia Toivo Waltari e o mestre em engenharia Jalo Sihtola, cujo conhecimento da arte influenciou o desenvolvimento de Waltari. A mãe de Waltari trabalhou como um caixeiro do serviço civil e educou seus três filhos. Waltari estudou o theology na universidade de Helsinque, mas seguindo os desejos do seu pai, mudou para a filosofia, recebendo seu M.A. em 1929.

Para acessar a fonte clique aqui

Sobre o livro

Trata-se da história de Sinuhe, um egípcio que foi banido de Tebas no sexto ano do reinado de Horemheb, então Faraó. Em seu exílio escreve tristemente as memórias de uma vida atribulada e, já em seu apogeu, chora, através das escritas, a saudade de sua terra natal onde os caniços das margens do rio Nilo sussurravam ao vento primaveril. Escrito pelo finlandês Mika Waltari, (originalmente: Sinuhe Egyptilainen) traz em seus 15 capítulos e em suas 656 páginas num único volume uma embriagante história passada nos desconhecidos e sonhados tempos faraônicos. Nos conduz a viagens emocionantes por momentos da historia de nossa civilização.

Para acessar a fonte clique aqui

12 comentários:

Links & Sites disse...

L i n k s & S i t e s
Seleção dos melhores Sites do Brasil!
http://www.lksites.com

Parabéns pelo seu Blog!!!

Você está fazendo parte da maior e melhor
seleção de Sites do País!!! - Só Sites Premiados -
Selecionado pela nossa equipe, você está agora entre
os melhores e mais prestigiados Sites do Brasil!

O seu link encontra-se no item:
" CANAL 3 " => Blog = Letra V

- Os links encontram-se rigorosamente
em ordem alfabética -

Pegue nosso selo em:
http://www.lksites.com/selo.html

Um abraço,
Dário Dutra
- Webmaster -

http://www.lksites.com/
....................................................................

Anônimo disse...

Olá! descobri o blog acidentalmente, mas gostei bastante do que li. Este livro do Waltari eu li quando cursava o ensino médio... foi uma espécie de achado na pequena biblioteca do colégio.

O que mais me impressinou na obra foi a revelação da perspectiva de mundo da época... imaginar que um soberano de uma área relativamente pequena de terra se auto-denominasse "senhor dos quatro cantos do mundo" foi fascinante!!

é isso... continue a escrever sobre as tantas obras riquíssimas que existem por aí...

Renan.

Anônimo disse...

eu li o livro e achei muito bonito mas o pobre sinuhe viveu sozinho todos os dias de sua vida.Aqui vai alguns dos personagens que ate agora eu listei:
MINÉIA
KAPTAH
SINUHE
NEFERNEFERNEFER
HOREMHEB
KIPA
SENMUT.

Anônimo disse...

eu li o livro e achei muito bonito mas o pobre sinuhe viveu sozinho todos os dias de sua vida.Aqui vai alguns dos personagens que ate agora eu listei:
MINÉIA
KAPTAH
SINUHE
NEFERNEFERNEFER
HOREMHEB
KIPA
SENMUT.

Anônimo disse...

eu li o livro e achei muito bonito mas o pobre sinuhe viveu sozinho todos os dias de sua vida.Aqui vai alguns dos personagens que ate agora eu listei:
MINÉIA
KAPTAH
SINUHE
NEFERNEFERNEFER
HOREMHEB
KIPA
SENMUT.

Gabriela disse...

Oii...tudo bem??
Esse livro é ótimo mesmo né?!
Acho q o melhor que já li na minha vida :)

Anônimo disse...

Olaaa.. se vc gosta desse tipo de literatura, entao sugiro o livro
ROMANCE DE UMA RAINHA (JW Rochester).

Tenho certeza q depois q tu ler esse, vai kerer ler os demais desse maravilhoso autor.

E se nao conhece mesmo.. vai descobrir mtas coisas!

Abraços!

Milla

Anônimo disse...

ahh.. a história da faraó Hatasu (Hatshepsout)

:)

Milla

Elaine disse...

Pessoal por acaso encontrei um livro que se chama O Enigma que para minha surpresa era outra encarnação do principe no romance de uma rainha, tenho alguns romances do mesmo autos em pdf, se quiserem mande email para beijaflor_8@hotmail.com.

gu_zap@msn.com disse...

mto bom o livro,,,,,,,,soh da ódio do protagonista por ele ser tão burro....

ELIANE TRINDADE disse...

olha eu li esse livro eu devia estar na 5 OU 6 SERIE NOSSA ATE HOJE MELEMBRO DELE ,COMO SE EU ESTIVESSE FAZENDO PARTE DO LIVRO TBM,JA TIVE DOIS E SUMIRAM VOU COMPRAR OUTROPARA LER NOVAMENTE.

Chico Barbosa disse...

Olá, Fabiam,
Li "Sinuhe, o egício",quando tinha quinze anos de idade....num livro de capa marrom, encadernada e com tipografia em douração...Hoje, tenho quase 58....
Ele me fez entender o que disse Cacá Rossetti (Teatrólogo de quem gosto muito: "há dois tipos de idotas: aquele que empresta um livro e o que devolve..."
Acontece que uma colega tinha encontrado esse livro no lixo...antiquíssimo, amarelado quanto podia...
Me emprestou e li em poucos dias...Confesso que tentei não devolvê-lo, mas não teve jeito, ela o quis de volta. Conto com sua memória pra ver se estou certo: me parece que Sinuhe se surpreendia e se decepcionava com várias crenças, tais como o modo como as sacerdotisas "iam para os deuses....Sinuhe descobria que era pura hipocrisia...que os grão mestres as usavam em sua beleza, pureza e confiança, depois as sacrificavam, para que todos acreditassem que tinha ido ao céu? E tinha também a lenda do Minotauro, que depois ele descobria que era tudo armação e mentira...Estou certo?
Ah...outra (última) pergunta: "o Egípcio" é a mesma história de "Sinuhe, o Egípcio"?